Artigos Intrigantes

Havia Uma Quarta Pirâmide no Planalto de Gizé?.. Sim Havia… A Pirâmide Negra.

     Já houve uma pirâmide negra no Egito que foi apagada das páginas da história? De acordo com Frederic Louis Norden um capitão naval dinamarquês do século 18 cartógrafo e explorador era isso: uma quarta PIRÂMIDE PRETA foi alinhada com as três Massas de pedra que estão atualmente no planalto de Gizé.
     O planalto de Gizé fora do Cairo é famoso por abrigar os quatro monumentos mais icônicos do Egito a Grande Esfinge e três pirâmides – incluindo a única maravilha do mundo antigo que sobreviveu até nossos dias. Uma obrigação para qualquer turista que se preze ou viajante do mundo.
     Os arqueólogos que escavam o planalto continuam a descobrir novas tumbas e artefatos impressionantes do antigo Egito. Este local histórico ainda não abandonou todos os seus segredos antigos e tem muito mais a oferecer.
Sabemos que existem três pirâmides, atribuídas – caprichosamente vale a pena destacar – pelo oficialismo arqueológico aos faraós foram Quéops, Quéfren e Menkaure sendo esta última a menor e sem sinais evidentes de uma quarta irmã piramidal … Pelo menos não em pedra.
     No papel a existência de uma quarta pirâmide em Gizé foi documentada pelo explorador dinamarquês Frederic Louis Norden (1708-1742), que participou de uma expedição ao Egito organizada pelo francês Pierre Joseph le Roux d’Esneval a pedido do rei dinamarquês Christian VI.
Retrato de Frederic Louis Norden e à esquerda sua obra, publicada postumamente.
.
     Norden não era um explorador amador. Ele foi um experiente capitão naval cartógrafo e explorador arqueológico que, antes de sua visita ao Egito em 1737 tinha viajado para países como Holanda, França, Itália e Malta, para estudar fortificações.
     Quando o capitão chegou ao Egito ele documentou e desenhou tudo o que viu e experimentou, incluindo monumentos faraônicos, arquitetura, instalações e mapas. Ele fez mais de 200 desenhos que podem ser encontrados em sua publicação Voyage d’Egypte et de Nubie (disponível para download nestas linhas). Voyage d’Egypte et de Nubie – Frederic Louis Norden (16.4 MiB, 42 hits) Descrição do arquivo: Voyage d’Egypte et de Nubie (1755) registra a extensa documentação e desenhos de Frederic Louis Norden de sua jornada pelo Egito em 1737-1738.
         Ele contém alguns dos primeiros desenhos realistas de monumentos egípcios e até hoje continua a ser uma fonte primária para o aparecimento de monumentos egípcios antes do turismo generalizado e das escavações dos séculos XIX e XX.
     Alguns de seus desenhos confundiram os pesquisadores modernos. A razão? Norden havia feito o desenho de uma quarta pirâmide em Gizé.
     Em seus escritos o capitão declara: “São quatro; merecem a atenção dos curiosos, embora possam ser sete ou oito nas proximidades não são nada comparados com os primeiros (…). As duas pirâmides do norte são as maiores e têm 500 pés perpendiculares. As outras duas são muito menores mas possuem algumas peculiaridades que as tornam dignas de seu exame e admiração.
     Ao descrever a quarta pirâmide menciona que o topo da estrutura antiga era estranho. Parecia ser “uma pedra mais negra do que o granito comum”.
   
     Quanto à quarta pirâmide está a menos de trinta metros da terceira. Não tem tampa está fechada e parece-se com as outras, mas sem nenhum templo como o primeiro. No entanto tem uma característica que vale a pena mencionar, que é o topo ser coroado por uma única grande pedra que parece ter servido de pedestal ”, explica o Capitão Norden.
     Até agora, sabemos que não existe uma quarta pirâmide em Gizé. Alguns sugerem que as imagens de satélite revelam a existência de várias pirâmides egípcias gigantes escondidas sob a areia mas isso pode não ter sido o que Norden observou durante sua jornada. Então como ele poderia documentar quatro pirâmides de Gizé quando existem apenas três?
     A maioria dos estudiosos modernos sugere que o capitão cometeu um erro e identificou incorretamente uma das pirâmides satélite de Menkaure como a quarta grande pirâmide. Mas se isso for verdade não explica por que Norden disse que a quarta pirâmide era negra. É do conhecimento comum que as pirâmides satélite de Menkaure – apelidadas de pirâmide vermelha por seu revestimento original – não eram feitas de pedras pretas.
     Será que uma das pirâmides de Gizé que conhecemos hoje pode ser responsável pela que o capitão Norden viu?
Esse fato nos deixa poucas opções.
    Uma possibilidade é que tenha ocorrido um erro de tradução em algum lugar. O texto do capitão Norden foi originalmente escrito em francês antes de ser traduzido para o inglês. Talvez sua intenção nunca tenha sido dizer que a quarta pirâmide era negra mas simplesmente mais escura que as outras.
.
    Outra possibilidade é que de fato ele viu uma pirâmide negra que não existe mais. Talvez a antiga estrutura tenha sido vandalizada ou deliberadamente usada como pedreira para casas ou edifícios no Cairo.
    Uma pirâmide não pode desaparecer no ar mas também não há razão para duvidar das palavras do capitão Norden. Parece óbvio que este explorador viu algo documentou sua experiência e simplesmente não podemos resolver este antigo mistério egípcio.
    Talvez – e apenas talvez – ele tivesse o mesmo destino da suposta segunda Grande Esfinge que poderia acompanhar aquela que vemos hoje cujo rosto negróide, quase com cabeça olmeca, também se presume não ser original.
Por Ellen Lloyd