Textos

Glândula Pineal – O Terceiro Olho Espiritual

Uma Odisséia da Antiguidade

à Cronomedicina Moderna

A glândula pineal ou “terceiro olho espiritual” é considerada a porta de entrada para a vida espiritual de acordo com os conceitos antigos sobre a alma. Recentemente, a neurociência moderna provou que a glândula pineal não é apenas o órgão neuroendócrino secretor de melatonina que controla o ritmo circardiano, mas também tem associações místicas e energéticas com a espiritualidade. Ele atua como um tremendo coordenador entre a orquestra rítmica molecular, hormonal, fisiológica e química. Assim, neste artigo, ao destacar a relação entre a metodologia indiana antiga e a cronomedicina moderna, o autor descreve a odisséia da antiguidade à ciência moderna.

Background

A dimetil triptamina da glândula pineal também é conhecida como molécula de espírito. Está ligada à percepção e é ativada por frequência energética e magnética. Pode parecer absurdo para alguns pesquisadores, mas as evidências atuais favorecem a existência do “terceiro olho”.

A literatura está inundada de artigos relacionando a glândula pineal com o ritmo circadiano. Neste artigo, o autor destacou a ligação entre a metodologia indiana antiga e a cronomedicina moderna. A descrição de “Ham e Ksham” e sua correlação com a glândula pineal e o complexo hipotálamo-hipofisário destacam a odisséia da antiguidade à cronomedicina moderna.

Aspecto Histórico

Os seres humanos têm um “terceiro olho” ou corpo místico cientificamente conhecido como glândula pineal. O terceiro olho corresponde ao sexto “chakra” – “Ajna” que fornece uma “janela” para a vida espiritual de cada indivíduo (►Fig. 1).

Os antigos cientistas nunca acreditaram na existência da alma até que a doutrina neuropsicofisiológica cartesiana foi lançada no século XVII. As duas escolas de ciência e filosofia deram um consenso comum sobre a existência da glândula pineal e sua importância fisiológica e mitológica.

Os antigos filósofos e cientistas têm uma crença diferente na alma e em sua existência. A localização exata da alma evoluiu ao longo dos séculos. Os conceitos platônicos e de Aristóteles destacavam os três tipos de almas, concluindo a importância do coração como o centro de controle – “Phren”. Segundo eles, a alma está fora do corpo e ligada ao corpo materialista por alguma parte. Foi Hipócrates quem mudou seu conceito e disse que a alma reside em algum lugar dentro do corpo. Hipócrates justificou que é o cérebro, e não o coração, como o ponto focal do sentimento e da razão. A “alma” é a parte geradora de energia que coordena a orquestra molecular, hormonal, fisiológica e química do corpo humano. A neurociência moderna acredita que a coordenação rítmica é mantida pelo núcleo supraquiasmático, via glândula pineal, portanto, a glândula pineal tem associações místicas e energéticas.

A primeira referência específica à glândula pineal foi dada por Herófilo, que escreveu que a alma está em “kalamos”. A descrição detalhada da glândula pineal foi dada por Galeno em sua obra “De anatomicis Administrationibus”. Ele acredita que a alma flui na forma de ar dos pulmões para o coração e depois para o cérebro. O fluxo de ar no cérebro é controlado como uma válvula pela glândula pineal.

A importância da glândula pineal como centro da alma atingiu seu auge na era de Santo Tomás de Aquino (1225-1274 DC), que formou um conselho e provou sua “Teoria das três células”. Mais tarde, Descartes e Andreas Vassalius (1514-1564 DC), o pai da anatomia moderna, também propôs o cérebro como o centro da alma. René Descartes em seu livro “The Paixão de Sol” descreveu a glândula pineal como o ponto de encontro dos mundos físico e espiritual e escreveu que “O corpo e o espírito não apenas se encontram ali, mas um afeta o outro e a repercussão se estende em ambas as direções”.

Cronobiologia e mitologia indiana antiga

Os três principais “Nadis” são Ida, Pingla e Sushmna. Esses Nadis são os canais de energia sutil do corpo e eles conduzem “Prana” (alma) por todo o corpo.

Ajna Chakra, a área do terceiro olho, é o sexto Chakra, que se encontra no espaço entre as sobrancelhas (Chacra da sobrancelha, o terceiro olho, o olho da sabedoria, o Chacra do olho interno ou o Chacra de comando). Um terceiro olho invisível, mas poderoso, este é o nosso centro de intuição.

A letra “ham” representa Shiva. “Ksham” representa Shakti. Essas duas palavras escritas nas pétalas representam a mente manifesta e não manifesta e, às vezes, diz-se que representam as glândulas pineal e pituitária.

Na verdade, como seres humanos, não conhecemos o poder da mente.

Antigos “gurus” ganharam poderes místicos e sobrenaturais acendendo o terceiro olho. Embora evidências substanciais estejam faltando, o mundo científico tem uma forte inclinação para a existência do chakra Ajna ou terceiro olho. Provavelmente possuímos uma capacidade intensa de visualização, e nossa mente é composta e se abre para verdades místicas. Percebemos cada vez mais que o mundo das aparências é apenas uma alegoria, um símbolo de um princípio espiritual manifestado no nível físico. Possivelmente, notamos de vez em quando que nossos pensamentos ou ideias se tornam realidade. Algumas pessoas chamam isso de ‘déjà vu’. Quanto mais nosso Chakra do terceiro olho se desenvolve, mais nossos pensamentos são baseados em uma consciência interna direta da realidade.

Ritmicidade e ritmo circadiano

O termo “circadiano” vem do latim ‘ca’, “ao redor” e Diem ou morre, “dia”, que significa literalmente “aproximadamente um dia”. O estudo formal dos ritmos temporais biológicos, como ritmos diários, marés, semanais, sazonais e anuais, é chamado de cronobiologia.

A cronomedicina prescreve medicamentos em horas especificadas para alcançar uma otimização da administração terapêutica. A ritmicidade é observada nas vias metabólicas e nos níveis químicos séricos dentro do corpo humano. Também é observada na sensibilidade dos sistemas-alvo a substâncias químicas endógenas ou exógenas. Está provado que as proteínas plasmáticas também sofrem um ritmo circadiano, de modo que os fármacos que se ligam a essas proteínas plasmáticas seguem ritmicidade. Por exemplo, medicamentos anti-hipertensivos que expressam o fenômeno da primeira dose são geralmente administrados na hora de dormir para evitar complicações devido à hipotensão.

Papel da glândula pineal na manutenção do ritmo circadiano

A glândula pineal é o órgão neuroendócrino que funciona principalmente para manter o ritmo circadiano e fornecer informações “claras e escuras” para o resto do cérebro por meio do hormônio melatonina. A melatonina é derivada do aminoácido ‘triptofano’ e sua formação é controlada ritmicamente pelo hipotálamo e pela glândula pineal. A melatonina mostra secreção rítmica e controle nas quatro etapas seguintes. A ritmicidade é controlada localmente (enzimas) e centralmente pelos núcleos supraquiasmáticos do hipotálamo.

  1. Aminoácido da dieta triptofano em 5-hidroxitriptofano (5-HTP) por triptofano hidroxilase 1 (TPH1).
  2. Síntese de 5-hidroxitriptamina (5-HT ou serotonina) pela descarboxilase do aminoácido aromático.
  3. Formação de N-acetilserotonina (NAS) pela arilalquilamina N-acetiltransferase (AANAT).
  4. Produção de melatonina por hidroxiindol-O-metil-transferase (HIOMT) (também denominado N-acetilserotonina metiltransferase [ASMT]).

Os sinais circadianos do SCN são transmitidos sequencialmente aos núcleos paraventriculares, ao núcleo intermediolateral da medula espinhal, ao gânglio cervical superior e, finalmente, à glândula pineal. A glândula pineal também é inibida pelo sistema parassimpático. Além da luz e do sistema parassimpático, o ritmo da melatonina está fortemente acoplado ao ritmo da temperatura central, com o pico da secreção de melatonina correspondendo intimamente ao nadir da temperatura.

Trato retino-hipotalâmico e cronodisrupção

O ciclo intrínseco da atividade elétrica do núcleo supraquiasmático está mais próximo de 25 horas em vez de 24 horas. Assim, o “relógio” neural funciona devagar e, se esse ritmo não for ajustado para mais próximo de um ciclo de 24 horas, a fisiologia do organismo rapidamente ficaria “fora de fase” com o tempo padrão. O processo fisiopatológico é denominado dessincronizado ou cronodisrupto. Isso destaca a necessidade de algum órgão para manter o relógio neural no ritmo circadiano. Essa via é conhecida como trato retino-hipotalâmico (RHT) (►Fig. 2) .

Nessa via, a luz é percebida por células ganglionares retinais intrinsecamente fotossensíveis altamente especializadas (ipRGC). Essas células envolvidas na sincronização do relógio neural consistem em uma pequena porcentagem (1-2%) da população total de células ganglionares e contêm seu próprio fotopigmento especializado, a melanopsina. A melanopsina é ainda diferente por não responder ao comprimento de onda da faixa do azul, cerca de 460 a 480 pm de comprimento de onda de luz apenas.

 Os axônios desses neurônios viajam no nervo óptico até o nível do quiasma óptico, onde então divergem para penetrar o SCN onde eles fazem contato sináptico com os neurônios-relógio. Do SCN, ele passa pelos núcleos paraventriculares, a coluna de células torácicas superiores intermediolaterais da medula espinhal e, a seguir, os neurônios simpáticos do gânglio cervical superior, que inervam a pineal. Essa série de conexões que ligam a retina ao SCN e à glândula pineal é às vezes chamada de sistema fotoneuroendócrino.

Quando o ambiente fotoperiódico é perturbado artificialmente, por exemplo, com exposição à luz durante o período normal de escuridão, o marcapasso circadiano central recebe informações inadequadas para esse período, resultando em supressão de melatonina e interrupção circadiana. A ruptura cronológica leva a uma mudança na fisiologia do corpo humano, levando a problemas de saúde conhecidos como doenças de diminuição da atividade da melatonina.

Sequelas de Cronodisrupção

Na cronobiologia, a luz é o principal ‘zeitgeber’ (‘doador do tempo’) que afeta o alinhamento e o sincronismo dos ritmos circadianos em crianças e adultos.

Uma doença particular que tem sido frequentemente discutida em relação à exposição excessiva ou anormal à luz é o câncer. A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer classificou luz à noite como um carcinógeno do grupo 2A, ou seja, um provável carcinógeno em humanos14 (►Fig. 3).

A ação de eliminação de radicais livres da melatonina e seu efeito antioxidante encontra seu papel na proteção da mucosa do trato gastrointestinal (GIT) sendo gerado e liberado pelas células EE do GIT em enormes quantidades para a circulação portal para proteger o fígado e o trato biliar de vários irritantes.

A ritmicidade do nível de melatonina não apenas prediz o ciclo diurno e noturno, mas também atua como um marcador do calendário sazonal. O contraste entre os sinais de curta duração no verão e os sinais de inverno de longa duração é necessário e suficiente para conduzir os ritmos sazonais subsequentes em diversos processos, como reprodução, metabolismo e função imunológica. O fenômeno de “jet lag” está relacionado à interrupção do cronograma. A melatonina tem um papel no fenômeno anti-envelhecimento por meio de seus efeitos de eliminação de radicais livres.

Ritmo circadiano e Ayurveda

A fisiologia e a patologia ayurvédica baseiam-se no ritmo circadiano de três “Doshas”.

De acordo com Sushruta, esses doshas governam a integridade fisiológica do corpo controlando a distribuição de energia, da mesma forma que soma, Surya e Anila mantêm a integridade do mundo terrestre. Os três doshas – Vata, Pitta e Kapha – seguem um ritmo circadiano e, por meio desse ritmo, todas as funções metabólicas do corpo são reguladas. A interrupção desse ritmo leva à produção de vários estados patológicos. Além do ritmo circadiano diário, esses doshas também seguem o ritmo circanual e o ciclo anual pelo processo de sua “Sanchaya”, “Prakopa” e “Xamã” para regular os processos bioquímicos, fisiológicos ou comportamentais do corpo. Nosso sono depende de Kapha e Tama Doshas, ​​e se o tempo de “predominância de Kapha” passa, a pessoa sente o estado de consciência levando à gravação de “Vata”. A vitiação de Vata leva ao desenvolvimento de “Rakshasa” no corpo e sintomas como irritabilidade, inquietação e dificuldade de concentração, fadigabilidade fácil se desenvolvem na pessoa. Se for feito apenas 1 ou 2 dias por semana, o corpo pode ajustá-lo com sono diurno (Divaswapa) .No entanto, se isso se tornar nossa rotina cotidiana, nosso ciclo de Doshas se inverte e a doença se desenvolve.

Conclusão

A existência da glândula pineal como terceiro olho ou controle místico foi descrita na antiga ciência indiana.

O mundo moderno está tendendo para a mesma inferência.

O ritmo circadiano, sua manutenção e o papel da melatonina são importantes no controle da fisiologia normal do corpo. Além disso, a melatonina mostrou usos farmacológicos como agentes anticâncer e antienvelhecimento. Seu papel na prevenção da osteoporose e irregularidade menstrual está sendo testado.

O autor acredita que algum dia a ciência moderna poderá decodificar o mistério do “terceiro olho” completamente, e ele pretende encontrar a solução para controles sobrenaturais também.