A CRISE DOS 40 ANOS E OS CICLOS ASTROLÓGICOS

crise-meia-idade-629x421Dos 37 aos 42 anos o ser humano vive uma série de ciclos astrológicos bastante intensos, sendo esse o período mais difícil do ponto de vista astrológico. É a famosa crise da meia idade muito conhecida, mas que atinge as pessoas de forma bastante diferenciada.

Se a crise balança muito a vida de alguém que conseguiu evoluir e amadurecer, imagine o que ela faz na vida de pessoas que ignoraram o chamado de sua alma e fugiram dos desafios. A sensação é de cair do 5º andar de cara no chão. Muitos casamentos entram em crise mais pela mudança pessoal que por desgaste da relação. O principal componente desse ciclo é o ciclo de Urano oposição Urano natal. 63312-conheca-urano-na-astrologia-1Esse aspecto costuma durar dois longos e turbulentos anos e virar a vida das pessoas de cabeça pra baixo. A vontade primordial é de chutar o balde e mandar tudo pro espaço, sair por aí de moto sem destino. É um olhar para trás e ver que o tempo já passou, mas que ainda dá tempo de correr atrás de nossos sonhos. Algumas buscam resgatar a juventude perdida tentando voltar a adolescência, mudam a aparência, pintam o cabelo, saem pra balada se misturando com os mais jovens.

t_80750_sharapova-e-a-garota-progapaganda-da-campanha-comemorativa-dos-40-anos-da-wtaSe não é possível recuperar a juventude perdida é perfeitamente possível resgatar a juventude da alma. A alma é jovem quando vive e luta por seus sonhos e ideais, não importando se temos cabelo branco ou nem isso. O que complica muito é que muitas pessoas se distanciaram tanto de seus sonhos que nem lembram mais quais são eles. E a alma cobra nessa hora com força: É ISSO QUE VOCÊ QUER PARA SUA VIDA? 

VOCÊ SE SENTE REALIZADO?  VOCÊ CUMPRIU SUA MISSÃO NESSA VIDA?

ValhaOs vikings diziam que só iam para a Vahala (o paraíso) os guerreiros que morriam em batalha. As valquírias recolhiam as almas desses guerreiros e os levavam para um lugar onde eles se tornariam o exército dos bravos para lutar ao lado de Odin, deus supremo dos nórdicos. Se você morresse hoje se sentiria um guerreiro que morreu lutando até o fim?

Ou seria um “quase”: “quase cheguei lá”, “quase fiquei rico”, “quase casei”, “quase fui feliz”, “quase me formei”, “quase conquistei meu sonho”.   

RÉGIS CAANABARRO