As Crenças e a sua própria Verdade Pessoal.

MANDALA MULHER AZULA questão passa a ser:- suas crenças, ou, sua verdade relativa, são eficazes para as ações subjetivas serem efetivas, resultando em habilidades psíquicas como queria Jesus ao tentar reformular o Judaísmo? Qual o verdadeiro significado do capítulo 14 do Evangelho de João, principalmente o versículo 12, onde João escreve que Jesus afirma que todos podem ser capazes de fazer as coisas que ele fazia e, mais ainda?
Se, a sua realidade estruturada por suas crenças, não for eficaz para abrir todas as possibilidades de habilidades psíquicas para você e, se um conjunto de crenças não faz o mesmo efeito para todos os filhos de Deus que, seria a manifestação da Divindade através do Homem, é melhor mudar as crenças, mudar os padrões e valores psíquicos.
A coerência da Filosofia Huna está explicita nos princípios de que o Homem deve Mudar Padrões e Valores que, é a idéia de Conversão Individual para:

1.- a idéia de que haja o maior respeito à Divindade e, à parte divina que há em cada um de nós e, 2.- a prática do Amor Compartilhado com o próximo, quando ele pode ser compartilhado por haver respeito mútuo. Jesus faz uma ligeira modificação, mas Jesus se expressa de modo similar, substituindo a expressão “Amor Compartilhado” por “Ama o próximo como a ti mesmo”, mas mantém “Ama a Deus sobre todas as coisas”.
A utopia da filosofia do cristianismo que é desenvolvida pelos evangelistas que vieram depois de Jesus, é alterar a idéia de amor compartilhado, do viver em paz com quem o quiser assim, para pregar o amor incondicional, mesmo ao próximo que o quer destruir, ou, o está destruindo. A questão passa a ser:- qual versão é mais viável, mais prática e de Bom Senso?
Jesus, como Sumo Sacerdote da Ordem de Melquizedeque tentou reformular o Judaísmo para torna-lo mais prático e efetivo e, não conseguiu. No entanto conseguiu deixar como herança uma mensagem coligida por seus discípulos. A impressão que temos ao ler os Evangelhos, é a de que cada discípulo escreveu o que percebeu, resultando em 40% de coincidência entre eles.
A interpretação dada posteriormente para a mensagem de Jesus e, baseada na Filosofia Cristã desenvolvida segundo a ótica do Apóstolo Paulo, resultou em Sistemas Organizados nos moldes do Judaísmo, um Judaísmo-Cristão, configurado pela obediência ao Velho e ao Novo Testamento. Estes, por si só não proporcionam aos líderes religiosos nem aos adeptos da doutrina passada nas organizações, os dons do “Espírito Santo” que caracterizaram o desenvolvimento psíquico dos discípulos e, a objetividade dos resultados de suas habilidades psíquicas. Esta é uma afirmação constatável.
As Crenças – Suas Origens
Geralmente primeiro vem à ação, os fatos, os fenômenos psíquicos resultantes de enfoques subjetivos, mas com efeitos objetivos e que são desenvolvidos por alguém considerado como Profeta ou Avatar. Depois vêm as Hipóteses que tentam explicar os fenômenos decorrentes das habilidades psíquicas demonstradas por eles. Em seguida surgem as Filosofias que são as considerações lógicas e até razoáveis em torno do assunto, mesmo considerando que seja muito razoável o que é pouco provável. Das Filosofias e da aceitação de suas idéias básicas surgem as Crenças.
O tipo de Crença individual sempre é base para todas as ações do indivíduo. Ninguém age sem acreditar no que faz. Das crenças dependem a atitudes e as ações e, passam por sugestão de geração para geração. Indivíduos que acreditam de modo igual ou semelhante se unem. O problema está, quando as crenças são derivadas de uma filosofia que, sendo mal interpretada, gera pressuposições limitantes que passam a ser as bases da crença.
Indivíduos baseados em crenças limitantes a respeito do psiquismo, se não fizerem experiências pessoais, estacionam a sua própria evolução, pois ninguém muda de idéias arraigadas sem fazer experiências próprias e verificar resultados eficientes.
Há os indivíduos que, não estão sujeitos às crenças limitantes e começam a agir psiquicamente. Os resultados eficientes das experiências dos que são potencialmente capazes, fazem pensar e então mudar as perspectivas. Os enfoques mentais passam a ser usados com lógica razoável e agora com constatação do que é provável, mesmo que não expressem depois teoricamente toda a verdade absoluta, mas afinal Tudo é Relativo!

As Religiões:
Cada Crença baseada em função de algumas hipóteses, ou mesmo em função uma Filosofia desenvolvida a partir de hipóteses relativas, pode ser moldada por um conjunto de Normas e Princípios Doutrinários e mais os Rituais correlatos.
Uma Crença normatizada como um Sistema Organizado e oficializado, pode passar a ser uma Religião para os indivíduos que aceitem as normas e os princípios doutrinários relativos a ela. Normas, princípios, dogmas, fundamentos e rituais que caracterizam uma Religião, são frutos da mente humana. Geralmente as normas e princípios aceitáveis obedecem ao comportamento ético e moral de um povo, de uma cultura, mantendo a cultura e a tradição. No mais, os autores se afirmam inspirados e, sempre há quem dê crédito.
Religião é a oficialização da existência de uma ou mais divindades no nível do psiquismo, sempre com bases subjetivas, portanto, a Religião passa a ser a expressão objetiva de um conjunto de crenças que tem bases subjetivas. Daí a quantidade de religiões e seitas derivadas. O Culto é um procedimento objetivo para oficiar o respeito a uma Divindade de existência subjetiva.
Como a maior parte de uma população em evolução tem dificuldades em raciocinar de modo abstrato, as Grandes Religiões oferecem ao grande publico heterogêneo:-

1.- Um Deus Abstrato aos de pensamento predominantemente abstrato.

2.-A figura concreta de um ou mais homens divinos, ou, divinizados que, funcionem como padrão de conduta ética e moral para aqueles 25% das pessoas que manifestam um modo de pensar predominantemente concreto, direto e objetivo e, necessitam de um modelo físico, concreto, para alimentar sua imaginação. Fixam-se nesse modelo e não se preocupam em alcançar o entendimento do que é abstrato.

3.- Oferecem um sem número de deuses, ou, seres afins (serafins?) e, ou, santos, aos 70% de instintivos e emocionais que, sejam de pensamento de nível lógico e racional básico, mais simples. É assim no Hinduismo, no Catolicismo Romano e no Ortodoxo com seus Ícones.
Não escapam deste terceiro item, os denominados Protestantes e, ou, Evangélicos e os do Islã que adoram um Deus abstrato e, um ser concreto, objetivo e divinizado.
Há pessoas que ainda não perceberam que podem movimentar energia mediante enfoque mental e não sabem como fazer para movimentá-la. Por curiosidade, buscam conhecimento para isso. Assim buscam grupos de pessoas que, produzam fenômenos psíquicos e de seus companheiros que se não produzem, aceitam a existência dos fenômenos psíquicos e, dão apoio a todos que supostamente tenham o poder de intermediar as energias Conscientes de outras dimensões.
Ao diminuírem as perseguições devidas aos fanáticos religiosos dos Sistemas Organizados e iniciados como corporação, foi possível o estudo e a elaboração de uma filosofia baseada em observações da fenomenologia psíquica, mas de início, sem controle científico. O esforço do espiritualista conhecido como Allan Kardeck, em ordenar os fenômenos relativos às habilidades psíquicas, disposto em uma Filosofia de vida e de esperança para depois da morte, editada em 1856, resultou mais uma Religião, mais um Sistema Organizado. Todo sistema organizado é arbitrário e limitante. É bom lembrar que todo futuro é apenas uma suposição a ser constatada por cada um de nós.
Quem tem o poder de agir psiquicamente e sabe como fazer, geralmente mostra e explica dentro de seu nível de entendimento. Quem realmente sabe o que faz, quando explica, geralmente o faz de maneira hermética e, se ao contrário, é mais declarada, nunca ensina o pulo do gato que pode lhe salvar a vida. Haja vista as ações dos Kahunas do Havaí que, como defesa pessoal diante da política arbitraria dos seus invasores e colonizadores, usavam suas habilidades psíquicas eficazes. Conseguiram com isso manter sua liberdade de ação psíquica, muito superior aos discursos filosóficos religiosos dos seus dominadores que, evidentemente, usaram a força física para impor a sua filosofia e, com isso se deram mal. Até entendemos porque esses ensinamentos do xamanismo havaiano se mantiveram convenientemente secretos por tanto tempo.
O estudo e a observação dos efeitos da ação psíquica dos havaianos desenvolvidos “espiritualmente”, faz pensar em como os conceitos básicos de alguns religiosos podem estar errados. Sempre é bom lembrar que, apenas filosofia sem a ação eficiente correspondente, é mais vazia do que saco de pão vazio em acampamento de refugiados. “A eficácia é a medida da verdade”.
Alberto B. P. Dias, Licenciado, USP, 1955. diasmind@uol.com.br

filipeta

imageIPQ

DORADA25255FBARRA25252DGAMA2-1